escrivaninha de Oskar Schindler

Oskar Schindler | Vida durante a Segunda Guerra Mundial, morte, legado e fatos

Durante o Holocausto, Oskar Schindler, um industrial alemão e membro do Partido Nazista, salvou a vida de 1.200 judeus, empregando-os em sua empresa de esmaltados e munições, que ficou conhecida como Fábrica de Oskar Schindler na Polônia ocupada e no Protetorado da Boêmia e Morávia. Inicialmente movido pelo lucro, Schindler acabou aprendendo a ver através da ideologia nazista e reconheceu a miséria dos judeus. A Arca de Schindler, um romance de 1982, e a Lista de Schindler, uma adaptação cinematográfica de 1993, foram ambos fundamentais para venerá-lo na cultura popular.

Quem foi Oskar Schindler?

Mesa de Oskar Schindler na Fábrica

Em 28 de abril de 1908, em Svitavy, Moravia, nasceu Oskar Schindler, um alemão e católico. Após formar-se em uma sucessão de escolas de comércio em Brno, Schindler foi trabalhar para a empresa de equipamentos agrícolas de seu pai e casou-se com Emilie Pelzl em 1928. Em 1938, ele entrou para o exército tchecoslovaco e ascendeu à categoria de cabo de reserva. Ele comprou a Rekord Ltd., uma empresa de esmaltados de propriedade judaica, em novembro de 1939, aproveitando ao máximo a política de anexação alemã. Ele renomeou a empresa Oskar Schindler German Enamelware Factory ou Emalia. Ao inflacionar os números de produção, Schindler manteve o status da empresa como uma fábrica de armas. Como resultado disso, cerca de 1.000 judeus foram salvos e foram poupados das atrocidades e da brutalidade da vida no campo convencional. Atualmente, a fábrica abriga dois museus.

Como visitar a Fábrica de Oskar Schindler?
A Fábrica de Oskar Schindler é um local de visitação com ingressos, o que significa que você precisará fazer uma compra antecipada de ingressos para ver o local. Reserve online seus ingressos da Fábrica de Oskar Schindler para aproveitar ao máximo sua visita à atração.

Visita Guiada da Fábrica de Schindler sem Filas

Confirmação imediata
Ingressos eletrônicos
1 h 30 min. - 2 h
Tour guiado
Mais detalhes +

Ingressos Fábrica de Schindler: Sem Filas

Cancelamento gratuito
Confirmação imediata
Ingressos eletrônicos
1 h 30 min.
Mais detalhes +

Combo (Economize 19%): Minas de Sal Wieliczka + Fábrica de Oskar Schindler

Confirmação imediata
Ingressos eletrônicos
Duração flexível
Tour guiado
Mais detalhes +
€ 37,76

História de Oskar Schindler e Excursão a Pé

Cancelamento gratuito
Confirmação imediata
Ingressos eletrônicos
3 h
Tour guiado
Mais detalhes +

Visita Guiada Bairro Judeu Kazimierz e Fábrica de Schindler

Cancelamento gratuito
Confirmação imediata
Ingressos eletrônicos
3 h 30 min.
Tour guiado
Mais detalhes +

Oskar Schindler durante a Segunda Guerra Mundial

Oskar Schindler assumiu o empreendimento "Rekord" em Zablocie usando o poder das tropas de invasão alemãs como administrador judicial. Ele também fabricou artilharia, portanto, sua fábrica foi considerada um componente importante do esforço de guerra. Ele então empregou mais de 1000 prisioneiros do campo de concentração judeu, o que levou a que sua vida fosse poupada pelo regime nazista.

Emalia

Fábrica de esmaltados de Oskar Schindler em Cracóvia

Schindler entregou a seu contador, Stern, o balanço de uma fábrica de esmaltados chamada Rekord Ltd, que havia declarado falência em 1939 e era controlada por um sindicato de industriais judeus. Stern recomendou um método para que ele tivesse mais independência dos mandatos nazistas, incluindo a capacidade de contratar mais judeus. Inicialmente, ele contratou sete funcionários judeus e 250 poloneses não judeus para esta fábrica que ficou conhecida como Emalia. A empresa empregava cerca de 1.750 pessoas em seu auge em 1944, sendo milhares delas judias. Schindler então registrou esta empresa como uma unidade de fabricação de armas e produziu números de produção falsos para justificar sua existência.

Fábrica de Oskar Schindler em Cracóvia

Como tal, os trabalhadores judeus em Emalia estavam sendo abrigados com segurança. O governador-geral Hans Frank lançou uma diretiva em 1º de agosto de 1940, ordenando que todos os judeus em Cracóvia fossem evacuados dentro de duas semanas. Somente aqueles que trabalhavam diretamente para o esforço de guerra alemão seriam autorizados a permanecer. O fato de Emalia ter sido uma parte vital do esforço de guerra provou ser um fator crítico na capacidade de Oskar Schindler de proteger seus funcionários judeus. Ele reivindicou isenções para Schindlerjuden (judeus Schindler) sempre que eles fossem ameaçados de deslocamento. Ele afirmou que esposas, filhos e até mesmo indivíduos com deficiência eram mecânicos e metalúrgicos essenciais.

Subcampo de Plaszow

Fábrica de Oskar Schindler Cracovia

Os nazistas começaram a tirar os judeus do gueto no outono de 1941. Schindler ficou chocado ao ver o gueto sendo desmontado. Ele resolveu salvar o maior número possível de judeus a partir daquele momento. Em março de 1943, o campo de concentração de Paszów foi estabelecido no local de dois cemitérios judeus. O SS-Hauptsturmführer Amon Göth, o comandante do campo, era um sádico que executaria os prisioneiros ao acaso. Todas as indústrias, incluindo a Schindler, deveriam ser transferidas para dentro dos portões do campo, de acordo com o projeto original de Göth.

Fábrica de Oskar Schindler interior

Com uma mistura de negociação, engano e suborno, Schindler não apenas impediu que sua fábrica fosse realocada, mas também convenceu Göth a deixá-lo criar um subcampo em Emalia às suas próprias custas para abrigar seus trabalhadores, bem como 450 judeus de outras fazendas vizinhas. Eles foram protegidos da morte, adequadamente alimentados e vestidos, e autorizados a praticar sua religião. Oficiais sionistas em Budapeste chegaram a Schindler através de membros do movimento judaico clandestino em 1943. Schindler visitou o país em várias ocasiões para informar pessoalmente sobre os maus-tratos nazistas aos judeus. Ele coletou fundos da Agência Judaica para Israel e os deu à comunidade judaica clandestina.

Brünnlitz

Museu da Fábrica de Oskar Schindler

Schindler foi informada dos planos dos nazistas de fechar quaisquer fábricas que não estivessem envolvidas no trabalho de guerra, incluindo a fábrica de esmaltados de Schindler. Para preservar as vidas dos trabalhadores judeus, Schindler decidiu reverter a fabricação de utensílios de cozinha para explosivos anti-tanque. Schindler usou suborno e influência para persuadir as autoridades de Berlim a permitir que ele mudasse sua fábrica e seus trabalhadores para Brünnlitz, na Sudetenland, salvando os judeus de certas execuções nas câmaras de gás. Schindler também transportou 250 vagões com cargas de equipamentos e mercadorias para a nova fábrica, além de pessoal.

Museu da Fábrica de Oskar Schindler

A fábrica produziu poucas, ou nenhumas, munições de artilharia de serviço. Quando o Ministério do Armamento levantou preocupações sobre a baixa produção da fábrica, Schindler adquiriu produtos acabados no mercado negro e os apresentou como seus próprios produtos. O racionamento da SS era inadequado para satisfazer as necessidades dos trabalhadores, então Schindler passou a maior parte de seu tempo em Cracóvia adquirindo alimentos, munições e outros suprimentos. Emilie, sua esposa, ficou em Brünnlitz, fazendo contrabando de refeições extras e cuidando da saúde dos funcionários e de outras necessidades. Schindler e seus funcionários reuniram-se na fábrica em 7 de maio de 1945, para ouvir o primeiro-ministro britânico Winston Churchill revelar pelo rádio que a Alemanha havia cedido e que a guerra européia estava terminada.

Oskar Schindler no pós-guerra

Ao concluir a guerra, Schindler havia gasto toda sua renda em suborno e compras no mercado negro de provisões para sua equipe. Ele viajou para Regensburg e depois Munique com um orçamento limitado, mas ele lutou na Alemanha do pós-guerra. Schindler se mudou para a Argentina em 1949, onde se dedicou à criação de aves e, mais tarde, de nútria (coypu), um minúsculo mamífero criado devido a seu pêlo. Após a falência da empresa em 1958, ele deixou sua esposa e fugiu para a Alemanha, onde teve uma série de empreendimentos comerciais fracassados, incluindo uma fábrica de cimento.

nota fora da residência de oskar e emilie schindler

Fuga para a Suíça

Schindler corria o risco de ser preso como criminoso de guerra porque era membro do Partido Nazista e do serviço de espionagem da Abwehr. Bankier, Stern e outros trabalharam em uma declaração para ele dar aos americanos atestando sua participação na preservação de vidas judaicas. Para evitar ser preso pelos soviéticos, Schindler e sua esposa dirigiram para o oeste em seu carro. Seguiram um veículo carregando a amante de Schindler, Marta, muitos trabalhadores judeus e uma remessa de produtos comerciais do mercado negro. Eles seguiram a pé e de trem até aproximarem-se de Passau, onde um comandante judeu americano lhes facilitou a chegada à Suíça de trem.

Fábrica de Oskar Schindler Cracovia

Outros empreendimentos comerciais

Schindler, que estava praticamente sem um tostão quando se mudou para Regensburg e depois Munique, não se deu bem na Alemanha do pós-guerra. Na realidade, ele foi obrigado a contar com a ajuda de grupos judeus. Em 1949, Schindler mudou-se para a Argentina, onde experimentou a criação de galinhas e mais tarde de nútria (coypu), um pequeno mamífero mantido devido ao seu pêlo. Ele deixou sua esposa e se mudou para a Alemanha após a falência da empresa em 1958, onde teve uma sucessão de empreendimentos comerciais fracassados, juntamente com uma fábrica de cimento.

Túmulo de Oskar Schindler em Jerusalém

Legado de Oskar Schindler

Oskar Schindler, durante a Segunda Guerra Mundial, mostrou um dos maiores expoentes da humanidade já registrado na história. Ele se colocou em grande perigo pessoal para resgatar e salvar mais de mil prisioneiros judeus que se dirigiam para uma morte certa e dolorosa. Ele também sofreu enormes reveses financeiros para proporcionar amenidades básicas aos prisioneiros. Sua contribuição não pode ser menosprezada ou esquecida por séculos e seu legado continuará vivo enquanto as amargas lembranças do holocausto não se apagarem.

Placa de Oskar e Emilie Schindler

Justo entre as Nações

Em 24 de junho de 1993, ele e sua esposa, Emilie, foram declarados Justos entre as Nações, distinção dada pelo Estado de Israel aos não-judeus que participaram ativamente do resgate dos judeus durante o Holocausto. Schindler é um dos poucos membros do Partido Nazista a receber esta honra, juntamente com Karl Plagge, Georg Ferdinand Duckwitz, Helmut Kleinicke e Hans Walz.

A lista de Schindler

A lista de Schindler

Steven Spielberg transformou o romance Schindler's Ark, de Thomas Kenneally, no filme A Lista de Schindler de 1993. Liam Neeson foi indicado ao Oscar de melhor ator por seu papel como Schindler no filme, que recebeu sete Oscars, incluindo o de melhor filme. A popularidade desenfreada do filme trouxe a história de Oskar Schindler à atenção global.

Fábrica de esmaltados Oskar Schindler

Memorabilia

No sótão de um apartamento em 1997, uma bolsa pertencente à Schindler foi desenterrada, incluindo fotografias e documentos históricos. Trabalhadores pesquisando em caixas de itens coletados pelo autor Thomas Keneally descobriram uma duplicata de carbono de uma versão da lista na Biblioteca Estadual de Nova Gales do Sul no início de abril de 2009. Em agosto de 2013, um leilão on-line ofereceu um documento de uma página assinado por Schindler em 22 de agosto de 1944.

Perguntas frequentes sobre Oskar Schindler

Quem foi Oskar Schindler?

Oskar Schindler foi um industrial alemão e membro do Partido Nazista que é creditado por ter salvo a vida de 1.200 judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

O que é a Fábrica de Oskar Schindler?

A Fábrica de Oskar Schindler é uma fábrica de esmaltados e mais tarde de munições que Oskar Schindler usou como disfarce para proteger mais de mil judeus do regime nazista.

O filme Lista de Schindler é baseado na vida de Oskar Schindler?

O filme Lista de Schindler é baseado no romance de Thomas Keneally Arca de Schindler, que conta a vida de Oskar Schindler.

O que Oskar Schindler fez?

Durante o Holocausto, Oskar Schindler, um industrial alemão e membro do Partido Nazista, é creditado por salvar a vida de 1.200 judeus, empregando-os em suas empresas de esmaltados e munições na Polônia ocupada e no Protetorado da Boêmia e Morávia.

Como Oskar Schindler morreu?

Oskar Schindler morreu de insuficiência hepática em 9 de outubro de 1974. Ele é o único membro do Partido Nazista que foi enterrado no Monte Zion, em Jerusalém.

Posso visitar a Fábrica de Oskar Schindler?

Sim, você pode visitar a Fábrica de Oskar Schindler.

O que aconteceu com Oscar Schindler após a guerra?

Após a guerra, Oskar Schindler teve que deixar a Alemanha para a Suíça para evitar ser capturado pelo Exército Vermelho. Ele então pediu reembolso por suas despesas em tempo de guerra. Mais tarde, ele emigrou para a Argentina e iniciou vários negócios, todos eles fracassados. Ele entrou com pedido de falência em 1963.

A Lista de Schindler é uma história verdadeira?

Sim, a Lista de Schindler é baseada na história verdadeira de Oskar Schindler.

Onde está o túmulo de Oskar Schindler?

O túmulo de Oskar Schindler está no Cemitério Franciscano Católico Romano do Monte Zion, em Jerusalém.